14
Set 12

Construção: taxa de salário mensal sobe 1,1%

A taxa de salário mensal para o total das profissões do setor da construção aumentou 1,1% para 907,79 euros em abril face ao mesmo período de 2011.

Segundo o Inquérito aos Salários por Profissões na Construção, efetuado trimestralmente junto de empresas de construção com dez ou mais trabalhadores, mantém-se, assim, «um registo caracterizado pelo forte abrandamento do ritmo de crescimento deste agregado», cita a Lusa.

Elaborado pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério da Solidariedade e Segurança Social, o trabalho aponta um aumento «marginal» de 0,3% na taxa salarial para o total das profissões na construção entre janeiro e abril deste ano.

«Porém, em termos de variação trimestral por profissões, destaca-se que a taxa do encarregado da construção se reduziu trimestralmente em 1%, enquanto que o nível da taxa salarial doArmador de ferro se encontra agora 0,4% acima do nível de janeiro».

Do inquérito resultou ainda que na duração média normal semanal do trabalho «não se registaram diferenças significativas para as diferentes profissões» entre janeiro e abril de 2012.

«O Engenheiro de construção de edifícios e de obras de engenharia apresentou 39,6 horas contratuais, enquanto que as demais profissões registaram uma duração média de trabalho de aproximadamente 40 horas semanais».

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:05 | comentar | favorito
06
Mar 12

Construção: 50 mil com salários em atraso

Cerca de 50 mil trabalhadores do setor da construção têm salários em atraso. 

«Todos os dias surgem novas situações« de funcionários nesta situação, adiantou esta terça-feira o dirigente da Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (FEVICCOM), Sérgio Graça, na comissão parlamentar de Economia e Obras Públicas, no âmbito de um requerimento apresentado pelo PCP.

O sindicalista disse que há empresas que «têm subsídios de férias e Natal com dois e três anos de atraso».

À margem da audição, Sérgio Graça disse aos jornalistas que o número de trabalhadores com salários em atraso deverá rondar os 50 mil, sublinhando tratar-se de uma estimativa para um número difícil de contabilizar, porque está sempre a oscilar.

E referiu algumas das grandes empresas do setor da construção que têm actualmente salários em atraso, como a Edifer, a Abrantina e a FDO, destacando igualmente o caso da Construtora do Tâmega: esta empresa tem 30 trabalhadores na Mauritânia com salários em atraso.

O dirigente sindical destacou também o aumento do número de acidentes na construção, referindo que, nos dois primeiros meses deste ano, foram registadas 13 mortes no setor.

Antes da FEVICCOM, os deputados da comissão parlamentar de Economia e Obras Públicas ouviram os presidentes da Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP), Ricardo Pedrosa Gomes, e da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), Reis Campos.

Estes dois responsáveis chamaram a atenção para os problemas que enfrentam as empresas do setor da construção e do imobiliário, nomeadamente o desemprego e as insolvências.

O presidente da FEPICOP afirmou que, durante este ano, o setor pode perder mais 12 mil empresas, referindo que atualmente encerram 14 empresas por dia.

Na audição, a Parque Escolar também foi um tema abordado, pelas piores razões, já que está «no limite do incumprimento»

fonte_http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 15:12 | comentar | favorito
16
Nov 11

Construção: salários aumentaram em 2011

Um trabalhador no ramo da construção ganha, em média, 874,38 euros, de acordo com dados relativos ao passado mês de Julho, e que representam um aumento de um por cento, face ao mesmo período de 2010.

Os números, revelados ontem, terça-feira são o resultado de um inquérito realizado pelo Ministério da Solidariedade e Segurança Social, no último semestre deste ano, e que têm como ponto de partida, dados recolhidos junto de empresas do sector, com dez ou mais funcionários no activo.

O inquérito apenas contempla dados de indivíduos residentes em Portugal continental, e concluiu ainda que a taxa de salário mensal para o total de profissões do sector situava-se, em Julho de 2011, nos 974,38 euros, o equivalente a um aumento de 0,2% «acima do respectivo valor apurado para Abril», pode ler-se no relatório, citado pela agência Lusa.

Segundo os dados do Gabinete de Estratégia e Planeamento, os salários variam entre os 2.021,36 euros, auferidos pelo engenheiro civil, e os 648,68 euros, correspondente ao ordenado de serventes da construção civil.

Canalizadores e carpinteiros de limpos com o maior aumento de salários

A partir da análise das 16 profissões analisadas, é possível constatar que o canalizador e o carpinteiro de limpos são as funções cujos ordenados mais aumentaram de 2010 para 2011.

Os profissionais da canalização apresentaram um acréscimo salarial homólogo mais elevado em 2,7%, enquanto que o ordenado de um carpinteiro de limpos registou um aumento de 2,4%.

Dados divulgados pela Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços, referentes ao mês de Outubro indicavam que mais de 1.200 empresas ou empresários individuais da construção deixaram de operar nos últimos 12 meses, em consequência da crise que o sector atravessa actualmente.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 23:02 | comentar | favorito