Polícia ganha menos 884 euros que um GNR

Um profissional da GNR custa ao Estado, em média, mais 61 por cento do que um elemento da PSP, recebendo uma remuneração bruta superior em 884 euros mensais, considerando os 12 salários e os subsídios de férias e Natal.

 

Segundo os balanços sociais de ambas as corporações, os custos com o pessoal na GNR ascendem a 790 milhões de euros, enquanto na PSP se ficam pelos 471 milhões.

Os diferentes estatutos e retribuições ajudam a explicar algumas diferenças. Além disso, a guarda cobre 94 por cento do território (50 por cento da população), o que a obriga a ter mais comandos e, logo, maior número de chefias. O facto de alguns militares transitarem do Exército, com outro estatuto remuneratório, também se reflecte na média salarial.

No total, a GNR e a PSP congregavam há dois anos – os balanços sociais relativos a 2011 ainda não foram publicados – 47 200 efectivos, custando em remunerações mais de 1,2 mil milhões de euros. Ou seja, cada elemento das duas forças policiais recebia por mês uma remuneração média bruta de 1900 euros, incluindo suplementos.

O balanço social da PSP destaca que a maioria dos seus elementos (8534) recebe uma remuneração mensal ilíquida entre 1001 e 1250 euros; seguindo-se o grupo daqueles que auferem entre 1251 e 1500 euros (6864). No total, 95,7 por cento dos efectivos, policial e civil, recebe uma verba igual ou inferior a 1500 euros e apenas 0,43 por cento está inserido no escalão entre os 2501 e os 5000 euros.

No que respeita à GNR, as posições relativas aparecem invertidas: há muito menos guardas a receber no intervalo mais baixo e um número bastante superior no escalão entre 1251 e 1500 euros. De igual forma, o total do efectivo a ganhar uma remuneração ilíquida igual ou menor que 1500 euros é inferior (79 por cento), em contraponto com o número daqueles que auferem acima de 2501 euros (1,3 por cento).

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/


publicado por adm às 20:11 | favorito