Salário mínimo referendado na Suíça: 3200 euros mensais, se aprovado

A Suíça vai referendar no dia 18 de maio a criação de um salário mínimo nacional no país. Se for aprovado, os trabalhadores na Suíça vão receber o salário mínimo mais elevado do mundo: 18,10 euros por hora.

Feitas as contas, o ordenado mais baixo na Suíça poderá chegar aos cerca de 3200 euros por mês.

O valor duplica o recém-criado ordenado mínimo na Alemanha, 8,5 euros por hora, cerca de 1500 euros por mês.

Comparando com a retribuição mínima garantida em Portugal, a diferença é abismal, sendo 6,5 vezes superior ao português (485 euros).

 

A iniciativa foi levada às urnas pela central sindical SGB com o apoio do Partido Socialista Suíço. O principal argumento usado foi que os salários precisam de reflitir o elevado nível de vida no país.

As cidades de Genebra e de Zurique encontravam-se entre as mais caras do mundo em 2012, segundo um estudo do banco suíço UBS, que também indicava que era nestas cidades que eram praticados alguns dos ordenados mais altos.

Os eleitores helvéticos não parecem, no entanto, convencidos com este argumento. Uma sondagem realizada na semana passada pela empresa GfS Bern demonstrou que 52% estão contra a introdução do salário mínimo com 40% a favor.

"O governo está convencido que seria errado o Estado impor um salário a nível nacional", disse em fevereiro Johann Schneider-Ammann, o ministro da Economia suíço.

As consequências seriam particularmente graves para as companhias mais pequenas, alertou o governante, como no retalho, catering, agricultura e limpeza.

Por seu turno, o sindicato apresenta três motivos para introduzir um salário mínimo. Primeiro, motivaria desempregados e beneficiários de subsídios a regressar ao mercado de trabalho. Depois, esta subida iria também fazer com que trabalhadores com vários empregos passassem a dedicar-se somente a um.

Por último, um ordenado mínimo faria com que os empregadores não recorressem a mão de obra estrangeira mais barata.

Na União Europeia, os salários mínimos mais elevados praticam-se no Luxemburgo (1874 euros), Bélgica (1502 euros) e Holanda (1469 euros).

O valor supera também os ordenados mínimos praticados em países como os 1300 euros da Austrália ou os atuais 915 euros dos Estados Unidos que Barack Obama assinalou querer aumentar para os 1300 euros mensais.

Cerca de 10% da força laboral na Suíça recebia um ordenado abaixo de 3200 euros em 2010.

Os referendos são parte essencial da democracia suíça. Todos os anos os eleitores suíços são chamadas quatro vezes às urnas para decidir sobre matérias sociais ou económicas.

No final do ano passado, os eleitores chumbaram uma proposta de lei que visava limitar os ordenados dos executivos a 12 vezes o salário mais baixo praticada pela mesma empresa.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 22:38 | comentar | favorito
tags: