Salário médio mensal estagnou e mínimo está a cair há 40 anos

O salário mínimo nacional vale hoje menos 98,94 euros do que em 1974, mas esta perda de poder de compra não é nova - está a baixar há 40 anos. Já as remunerações da generalidade dos trabalhadores por conta de outrem, praticamente estagnaram, registando atualmente um ganho de 43 euros face a abril de 1974.

Desde que foi criado, o salário mínimo nacional tem sido atualizado em valores inferiores aos da taxa de inflação. Esta prática, faz com que os seus 485 euros mensais valham hoje, em termos reais, menos 17% do que os 16,5 euros (3300 escudos) que serviram de “pontapé de saída” em 1974. Cálculos efetuados pelo economista Eugénio Rosa indicam que o desfasamento entre o valor nominal e real do SMN começou logo em 1975, ano em que foi fixado em 18,50 euros, quando a taxa de inflação então verificada recomendaria uma subida para os 19,88 euros. Ainda que até 2011 esta remuneração mínima tenha sempre sofrido uma atualização anual, esta nunca foi suficiente para evitar perdas de poder de compra.

Os mesmos dados mostram que, entre 1993 e 2008, aquele desfasamento entre o valor nominal e o real foi sempre superior aos 100 euros - acima dos 89,94 euros que o economista, ligado à CGTP agora contabiliza. Desta forma, mesmo que o SMN suba para 500 euros, continuará a corresponder a um valor real inferior ao que tinha em 1974.

Se a análise incidir sobre a generalidade dos trabalhadores por conta de outrem, conclui-se que, neste período de tempo, se registou uma pequena subida: os 26,79 euros da remuneração média pagos há 40 anos, corresponderiam atualmente a 826 euros, um valor próximo dos 869 euros médios que são efetivamente pagos, de acordo com os cálculos de Eugénio Rosa.

O salário mínimo saltou para os noticiários depois de, no passado fim de semana, Pedro Passos Coelho ter manifestado disponibilidade da parte do Governo para iniciar conversações. O tema seria de novo abordado durante esta semana nas reuniões que manteve com os parceiros sociais sobre a preparação da saída de Portugal do programa de ajustamento, mas não há uma posição unânime. Em relação ao valor, CIP, CCP e UGT concordam com uma subida para 500 euros, enquanto a CGPT aponta para 515 euros. Em matéria de calendário, a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal não concorda que a subida possa ter efeitos ainda em 2014, defendendo janeiro de 2015 como a data adequada. Seja como for, o líder da UGT, Carlos Silva já deixou claro que não estará disponível para debater a questão antes das europeias, nem para discutir a redução das indemnizações em troca do despedimento ilícito. (ver ao lado).

A falta de dados oficiais atualizados faz com que não se saiba ao certo quantas pessoas recebem atualmente o SMN, embora os responsáveis sindicais apontam para valores superiores a 500 mil. Já o cruzamento do mais recente Inquérito aos ganhos e duração de trabalho, com o número de trabalhadores por conta de outrem contabilizados pelo INE, indica que rondarão 380 mil pessoas.

Em Portugal, o SMN está nos 485 euros desde 2011, sendo que no conjunto da zona euro apenas os países intervencionados (Grécia e Irlanda) decidiram também o congelamento ou a descida do valor.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 21:14 | comentar | favorito