Peso dos salários da função pública abaixo da média europeia

O programa de rescisões na função pública abrange, para já, apenas pouco mais de um-terço dos funcionários públicos. Os números oficiais revelam que no final de Junho existiam em Portugal cerca de 575 mil trabalhadores do Estado, incluindo as autarquias e as regiões autónomas. Este é o número de funcionários públicos mais baixo desde há mais de duas décadas. É preciso recuar até 1991 para se encontrar menos trabalhadores no Estado. Nesse ano, eram 509 mil. A partir daí o número de funcionários foi sempre engordando, atingindo um pico de quase 750 mil em 2005. Olhando agora para o peso dos salários da função pública em relação à riqueza gerada anualmente pelo país, constata-se que Portugal está também abaixo da média dos parceiros europeus.

É na Dinamarca, com 18,4 por cento, que as remunerações dos funcionários públicos mais pesam face ao PIB. Na União Europeia a média era, em 2012, de 10,8 por cento, e na Zona Euro de 10,6 por cento. Portugal surge ligeiramente abaixo destes valores, com 10,5 por cento. O peso do emprego público em Portugal está, de resto, bem abaixo da média dos países da OCDE. No topo da lista estão a Noruega e a Dinamarca, habitualmente apontadas como exemplos de gestão espartana e que afinal têm cerca de 29 por cento da população ativa a trabalhar para o Estado. A média dos 32 países da OCDE está nos 15 por cento. Em Portugal, o peso do emprego público era em 2008, ano em que o número de funcionários públicos era bem superior ao actual, de apenas 12,1 por cento. No outro extremo estão a Alemanha e a Grécia, onde o emprego público representa menos de 10 por cento do total.

fonte:http://www.rtp.pt/n

publicado por adm às 21:32 | comentar | favorito