Alteração de metas vai gerar "mais cortes" nos salários em 2015

A Comissão Europeia (CE) defende que, com a alteração das metas, a consolidação orçamental de Portugal vai estender-se para 2015, antevendo-se "mais cortes na factura salarial" da função pública. 

Na sua avaliação à sétima revisão regular do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) de Portugal, divulgada esta quarta-feira, a CE refere que, "com a revisão dos objectivos para a trajectória do défice, parte do necessário esforço orçamental para alcançar uma posição orçamental equilibrada foi adiada para 2015". 

"Para 2015, o pacote adoptado pelo Governo a 2 de Maio, que corresponde a uns adicionais 0,3% do PIB [Produto Interno Bruto] em medidas para esse ano, antecipa mais reduções na factura salarial do sector público e mais cortes na despesa dos ministérios e dos programas", considera a Comissão. 

No início de Maio, o primeiro-ministro anunciou um conjunto de medidas relativas à Administração Pública e à Segurança Social referindo que elas permitirão cortar 4,8 mil milhões de euros na despesa pública até 2015 e salientando que estão abertas a discussão. 

Durante o sétimo exame regular ao PAEF, mais longo do que os anteriores, o Governo português pediu a alteração dos objectivos do défice para este ano e para os dois seguintes, um pedido a que a 'troika' (CE, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) acedeu. 

Assim, para este ano, o limite máximo para o défice passou dos 4,5% para os 5,5% do PIB. Para 2014, este tecto passou dos 2,5% para os 4% e, para 2015, o défice deverá ser de 2,5% (e não os 2% anteriormente acordados).

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 22:21 | comentar | favorito